18 de abril de 2011

Entendia o amor como perseguição.

Dizia coisas lindas quando estava de porre. Arranhava-me durante o orgasmo e soltava em voz fina: eu-te-a-do-ro.
Adorar, pela voz que usava, tinha a ver com dor, com sofrimento, com agonia.
Devo confessar que eu gostava e me achava macho. Muito macho. "Macho é ela dizer que me adora com essa voz".
Inventei regras pro jogo. Disse de dor, de sofrimento e de agonia. Era um campo de pesquisa... falava as palavras e reparava como ela reagia. Como ela sempre ria e/ou gargalhava, eu achava que sabia onde estava indo.
Fui pra São Paulo sem avisar. A viagem mudou de repente e durou mais do que eu pensei. Telefonei de Curitiba. Tinha dor, sofrimento e agonia na voz. Quase gostei. Expliquei que ía ficar 2 dias fora, mas que tinham virado 6.
A voz veio com mágoa:

- Eu só adoro quem me persegue.
Ri porque a frase era boa e denotava humor. Errei. Errei feio. Era uma frase séria e que exigia respostas. Fiquei quieto.
- Quem me ama, me persegue, tá ligado?
Disse que ligava assim que estivesse no Rio. Mas ela nem riu nem gargalhou.
Disse:
- Até logo.
Ela disse:
- É.

3 comentários:

D. disse...

Ou você só conhece mulheres estupidamente interessantes, ou você sabe muito bem como transformar bobagens/ banalidades em belos textos.

VANIRA, CATIBIRA disse...

MIAU...OLÁ, COMO VAI ? O QUE ESTÁ HAVENDO QUE NÃO ESCREVEU DESDE O DIA 18?? ESTRANHEI, MAS ME RESPONDA NO DIA 29 LÁ NO HOTEL EM APARECIDA DO NORTE... EITA NÓIS...
UM BEIJO E MUITOS MIAUS PARA VOCÊ...

fmaatz disse...

D,
ou os dois ou nenhum.
bjs.
Vanira,
fora da rotina dá nisso.
até amanhã
bjs.