31 de agosto de 2008

A Filha da Chacrete diz Até Logo.

" e dando os trâmites por findo"...
último dia no Zimba.
E quem não for é mulher do padre.
Último Domingo do Mês é 1 real.


28 de agosto de 2008

<>

Não sei participar, não sei se quero participar. E quando explico isso pra alguém me sinto incompreendido. Sou velho e sou recalcado. E acho que isso é diferente daquilo e apenas isso e só. Então me tranco em mim mesmo e chego a conclusão que é melhor me trancar em mim mesmo do que tentar explicar algo que, afinal, só faz mesmo sentido pra mim.
E mim é aquele que tenta dizer e ser entendido e que morre lento porque, enfim, ser entendido é toda a dificuldade da vida. E como não sou entendido eu também morro lento. A culpa não é minha e também não é de quem me ouve. É apenas porque é assim que é e porque só na solidão é possível ter clareza. Foi o Dodô que me disse hoje que um soldado com esposa morre antes na batalha.
E isso faz sentido e é triste. Como quase tudo que faz sentido.

Carta aberta pra minha mãe e pra minha namorada.

Eu não me preocupo com as minha doenças ou com as minhas neuroses. Na média sempre vivi bem com elas. Assim como com os cigarros. É claro que há sempre o risco do câncer, mas não é em função do risco que vivo.
Sou mais óbvio nesse sentido, sou alimentado pelos prazeres imediatos. Como todo o resto da humanidade, enfim.
Claro que quando tusso muito eu me preocupo, assim como me incomodo quando minhas doenças interferem na minha vida. Na média tolero muito bem a minha tosse, assim como mantenho minhas neuroses sob controle.
Nunca tive pretensão real de perfeição, não nesse sentido pelo menos. Alguém disse que somos produto dos nossos vícios. Isso sempre fez sentido pra mim. Sempre me entendi melhor nas minhas doenças e neuroses.
Minhas coisas bonitinhas sempre me causaram espanto e desconfiança. É agradável ser bonitinho e usar o boné pra trás, por assim dizer.
De forma que quero apenas dizer o que sempre disse: a gente se cuida como pode e se protege como dá. Não posso exigir nada, além da crença em si, em nós e no milagre. A vida é mais próxima de um filme sem graça do que do Indiana Jones e suas façanhas.
A gente segue e o puro ato de seguir se torna o sentido da vida. O excesso de resistência ainda me comove. Sobreviver é sempre o máximo quando dura muito. Morrer com 100 anos nunca foi simples, afinal.

23 de agosto de 2008

ssññ

uma pena você não estar aqui
pra eu abraçar
seu corpo
quase morto
antes de dormir.
um pena essa necessidade de si
pra provar
o que não precisa
pra ser
quem não interessa.
pra imaginar
que ainda há
o que decidir.
-
depois de tudo
eu ainda
insisto:
o milagre
ainda depende
do quanto
eu resisto.

22 de agosto de 2008

Mensagem do Dia.


horóscopo do dia:


Depois de muitas contas matemáticas, decido que a janela deve ser quebrada num único e preciso lançamento. Será melhor assim, pois então, e só então, o vidro poderá ser trocado. Os riscos dos estilhaços são reais, mas é muito difícil que algum chegue a cortar uma artéria principal.

E todos sabemos que o sangue é vermelho e realmente encantador. Sangue é vida, Deus é Amor e Doe Sangue. Slogans que funcionam pra uma plena e longa ereção.

Um pau duro é um pau cheio de sangue, afinal.


(porque a beleza agrada os solitários)

20 de agosto de 2008

uiai

Mundo vasto e sem sentido no meio do turbilhão.

A merda é sempre parecida e você tenta fugir de si pra ter um tipo de paz. Fugir é mil coisas: sexo sem alma, loucura sem sentido, distração de televisão ligada sem volume, busca de felicidade, busca de sentido, porre pra curar dor, raiva pra manter algum tipo de vitalidade.
E mais outras coisas que outros falaram e falarão.
Então eu desço e busco a minha paz. Trata-se de um monte de idiotas cheios de trocadilhos e expectativas de se tornarem ricos. Um idiota, do tipo alegre, acha que a solução dele é uma máquina de polir carros. Tudo certo, eu também tenho meus planos. Tenho tantos planos que poderia até morrer agora. Eu e um monte de gente. Todos numa roda cheia de planos: vou ser autor de novelas, vou ser professor de pobre, vou ganhar na megasena. Planos e planos e planos. Malditos planos!!!
Solução pra tudo e, no fim de tudo, só sobra desespero e loucura.
Loucura de achar que você pode mudar a si mesmo, desespero de ter tudo e só acumular. Tem também também a ala da lua cheia, ala que acha que o cosmos é algo que se preocupa com cada individuo. Idiota 1 ou idiota 2. Gosto de pensar em mim mesmo como um idiota tipo 2. Questão de cisma mesmo.
E tem os eteceteras e a moça boa que lhe aquece as vezes, ou outra idiota que lhe acha especial, ou ainda uma família que lhe banca a miséria e a dor de artistazinho de merda.
Mas no bar a solução é bem claro e pronta: Dinheiro dentro do cu e uma buceta sem alma onde você se esfregue.
Simplificar a vida é sempre busca de felicidade.

18 de agosto de 2008

Do meio do mundo de merda têm algumas vantagens que gosto de contar:

Já frequentei lugares requintados e cheios de bom gosto e gente jovem, bonita e rica. Já me deslumbrei com esses lugares e achei que só eu havia visto todo o requinte do mundo. Contava vantagem para os meus amigos de Curitiba, dizia isso e aquilo e contava de bares que eles nunca imaginariam existir. Fumava maconha em carros ricos e grandes que tinham motoristas velozes e belos e ricos de novo. Fui a uma festa que tinha um buffet servido por anões e festas à fantasia que tinham mesas de frutas belíssimas e exóticas, com iguarias árabes e maconha de Marrocos. Fumei haxixe de Londres na casa de praia de outro amigo rico. Eu era um jovem esperto e promissor. Tinha frases decoradas de todos esses caras que impressionavam aquela gente tão rica e descolada que eu admirava.
Já comi uma negra dessas bem ruins e vulgares. Comi ela em lugares escrotos e imundos: tinha 17 anos e não entrava em motel. A gente fudeu em construções, na rua, no metrô da Praça da República. Até perdi ônibus pra trepar com essa negra feia e fedorenta. A buceta dela era alta e larga, os pêlos sempre mal cortados e encravados, o cu cheio de merda. Uma vez, na construção, cutuquei a merda dela com o meu dedo. Era uma bosta seca e dura. Eu tinha tesão nesse tipo de doença. Ela gemia sempre exagerada e adorava palavrões, berrava asneiras no meu ouvido que pareciam ter sentido. Um dia enfiei no cu dela sem que ela esperasse, ela berrou de dor e me deu um tapa na cara, ficou puta e me deixou na mão. Ela caiu fora do motel(meu cunhado havia feito uma identidade falsa pra mim) e me deixou lá, com o meu pau lambuzado de bosta. No motel tinha filmes de sacanagem, era um motel de 10 pratas na St. Cecília e a gente mudava de canal num botãozinho de girar que ficava grudado na cabeceira da cama. Toquei punheta vendo os piores filmes que já vi, deixei o volume baixo e gozei ouvindo os gemidos falsos e doentis que vinham dos outros quartos. Minha porra se juntou às outras porras secas que tinha no carpete cinza e sujo do motel.
Já participei de uma semi-suruba, já tentei beijar homem, já vi a merda na borda do cu da mulher amada. Também fiz amor com uma candura que nunca imaginei ser possível e senti que meu pau podia, enfim, ser um tipo de extensão da alma. Já passei uma tarde inteira decorando o que falar pruma mulher e já tomei um pé na bunda. Já cheirei cocaína num bar imundo e cheio de desconhecidos, já bolinei mulher em ônibus e já recebi uma boquete de um travesti. Já me masturbei no banheiro do ônibus da Itapemirim e já mostrei meu pau inchado pra crianças 4 anos mais novas que eu.
-
E acreditei em coisas que hoje eu desprezo e mordi minha língua mais de 100 vezes.
A vida é sempre uma bobagem possível.

16 de agosto de 2008

estamos aí.

Depois de todo delírio há um tipo de paz. A bunda na janela não se vende e fica lá em cima dos saltos. As belas pernas me surpreendem e saem à passos largos e corajosos. É uma possibilidade de redenção. E o sentido da coisa é outro quando se faz o que faz sem ser pelos flashs e glórias. Existe uma dança possível nessa loucura e nesse desespero. Meia dúzia de gatos pingados se tornam o sentido da vida. Essa gente aparece ali, sei lá pra que. Sei lá qual é a motivação real de quem resolver aparecer. Até pergunto e descubro: o solitário ruivo viu o cartaz durante um chop. Durante a minha função saio pra reparar nos gatos pingados: estão todos alí, simplesmente alí, vêem aquilo com uma atenção que me agrada.

É, tem razão, essa migalha alimenta mais que alguns banquetes.


14 de agosto de 2008

Nanma

Então você tem uma mulher fantástica e disposta a lhe entender. É algo terrível e doce. Você é chato, você reclama da vida, você sofre e sofre. Ela nem sempre concorda e nem sempre entende, mas fica ali, quase santa e quase louca, tentando ver sentido nos seus delírios. Você fica criando problemas e inventando desculpas. Você bebe demais e ela quase entende isso também. Depois do trabalho ela lhe olha com seus olhos belos e cinzas e você sente medo e frio. Parece mesmo a morte, você pensa.

12 de agosto de 2008

Vitalidades.

Depois de ver 3 vezes
a merda da mulher amada
boiando na privada,
eu faço rima sem força
e digo:
só a merda
dela
é sagrada.
.
Um trôço
diferente do outro
e, no entanto,
todos 3,
me causam espanto.
.
E me pergunto,
ainda encabulado,
como posso sintir prazer
em lamber aquele rabo?
.
Têm perguntas que não têm resposta
e 1 delas é essa:
Como posso amar uma mulher
de quem já vi a bosta?
.
Pras coisas sem solução
repito o que sempre dizem:
quem vê cara
não vê
coração,
e o resto todo é tolice.
.

DOMINGOS OLIVEIRA.

Ele é um desses caras que me desafiam. Já falei mal dele na época em que comecei a fazer teatro. Nessa época eu falava mal de tudo, até do velho Stanislavski. Quando se começa a fazer teatro a gente é realmente muito bobo e acha que pode descobrir a pólvora.
Mas o ponto é o Domingos Oliveira que me chocou profundamente depois que vi Todas Mulheres do Mundo, um dos filmes que mais assisti em minha vida de idiota profissional. E na média nem sou um tipo que revê filmes...
Seja como for, ele é dono de um pensamento fodão que me choca. Porque geralmente me identifico com uma gente negativa e sem esperança e ele é o oposto disso. É articulado pra caralho e acha a vida um troço fantástico. É ótimo que ele tenha um blogue. É genial ser antagonizado por um cara desse, que faz suas coisas e segue fazendo e que continua e continua. É como se ele abrisse outras possibilidades prum chato como eu.
O blogue dele só melhora a cada dia.
E isso é bem previsível.

-

Preciso apenas ler e me acalmar. Sentir a vida lenta agindo sobre mim. As vezes isso é tão difícil, tão difícil. Me pego pensando que não sou um tipo que nasceu para ter paz, e isso é um horror de se pensar porque eu queria uma vida plena e razoavelmente satisfeita. Mas sempre tem os chifres nos cavalos, os pêlos nos ovos, a repetição de si mesmo e de outras merdas velhas.

8 de agosto de 2008

Fernandinho Zen.

Mensagem do dia:



"Por tabela,

quem sabe das coisas

negocia sem barganhar.

Doutrina sem falar.

E tudo vai em frente,

acontece como vai acontecer,

de qualquer jeito,

a menos que você se esforce pra piorar"

(Tao - Lao Tse)


Mas o que importa é:




6 de agosto de 2008

saco na lua.

Os idiotas profissionais sorriem sempre da mesma maneira e contam sempre o mesmo papo: "porra, aquela mulher é gostosa pra caralho". E depois repetem pra outros idiotas que treparam com uma garota de 17 anos que até o cu dá. E riem pra caralho os idiotas profissionais. Sempre com aquela voz sufocada pelo riso, uma mistura horrorosa de brucutu e adolescência tardia.
p.s. os idiotas profissionais são sempre muito habilidosos ao telefone e sempre marcarão presença nas datas festivas.

3 de agosto de 2008