18 de outubro de 2010

A chuva parece acalmar.

Há quem não goste de chuva, há quem não goste de sol. Há o mundo inteiro. E o mundo inteiro é enorme e perturbador. Muita gente espalhada, muita ideia solta, muitos lugares pra conhecer, muitos dias, muitos anos (antes e depois de nós). O mundo imenso, a cabeça como um balão de gás hélio e nós todos que, por ora, somos/participamos do/o mundo.
Existe uma gente que está na batalha, querendo conquistar isso ou aquilo. Existe a galera do bar, sempre bêbada e festiva. Existe o namorado da amiga, cheio de sonhos decentes e bonitos. Existe as crianças que crescem e que agora têm peitos e lhe desafiam no elevador. Existem as senhoras elegantes que estão surdas. Os cachorros que rosnam, as mulheres que amam, as traças do banheiro, os acadêmicos de palavras difíceis, as crianças órfãs, o Tom Jobim bêbado e risonho, o García Márquez desconfiado por estar na moda, os pernilongos que chegam no 6° andar, os homens que insistem em mijar na via pública, os casais que não se entendem, a dona da padaria da Rua da Passagem, a Solange comemorando aniversário com salsichas empanadas, a Branca com vestido de noiva e magra demais, o primo que lhe fornece viagras, a vizinha chata e falsa pra quem se diz bom dia, boa tarde e boa noite.
O mundo inteiro, o mundo todo.
A síntese bonita e sem frescura:
MUNDO VASTO, VASTO MUNDO
SE EU ME CHAMASSE RAIMUNDO
SERIA UMA RIMA
NÃO SERIA UMA SOLUÇÃO.*
*(clica no título, clica)

Um comentário:

Ândrea Fricks disse...

Coisa linda.
Sem mais.