7 de junho de 2010

não é uma história de amor.

Pela 10° vez havíamos rompido.
Eu havia dito pra ela:
- não adianta, nós não conseguimos nos entender.
E ela concordou:
- realmente, é melhor a gente não se ver mais...
Nem nos despedimos.
Ela foi embora enquanto eu colocava o lixo pra fora.
Então voltamos à ser como éramos:
eu voltei a fugir do mundo para me proteger,
ela voltou a chafurdar no mundo para se salvar.
Um dia ela me telefonou dizendo que estava feliz
porque havia conversado com o tio
com quem não falava há anos.
Eu gostei da sua ligação,
mas, mesmo assim,
preferia ter ouvido outra coisa.
No meu sonho, ela diria:
- te fritei um bife... venha me ver... tô morrendo de saudades... eu te alimento, meu amor.

6 comentários:

juliamarini disse...

As maiores e as menores coisas acontecem dentro e fora da gente em função das nossas expectativas. A gente, quase sempre, se decepciona com o que a gente esperava, não com o outro propriamente... aí se a gente espera pouco é mesquinho e não dá chance. Se espera muito é deslumbrada,vem um e: - "acorda Alice!"
é phoda!...
bjs*

D. disse...

E eu querendo dizer algo parecido pra quem não quer ouvir.

Ândrea Fricks disse...

Cenários parecidos,diálogos idênticos, pessoas diferentes. Há de se manter um certo desencontro sedutor, entre o que se diz e o que se sente.Se não for assim, não será amor.

fmaatz disse...

marini: já que se trata de 'esperar', acho que mais decente 'esperar' muito. e 'acorda alice' é coisa de gente chata.
bjs.
-
d: é sempre assim. ou você acha que tem alguém me ouvindo?
bjs.
-
andrea:
mas e o bife? custa muito me fritar um bife? meu reino por um bife. rá.
bjs.

Ândrea Fricks disse...

Nosso reino por dois bifes então.
rsrs

fmaatz disse...

bife frito na frigideira. nada de george forman grill.